espasmos musculares

Espasmos musculares: o que podem ser e como tratar

A contração muscular espasmódica ocorre quando um nervo é estimulado erroneamente ou sofre algum problema, fazendo com que as fibras do músculo reajam involuntariamente. Quase sempre não é grave, e o indivíduo sequer sente algo, porém existem alguns espasmos musculares que trazem dor, incômodos e outras consequências.

Podem surgir em qualquer parte do corpo. Uma causa frequente é a desidratação, que ocorre quando a pessoa fica por muito tempo sem ingerir líquidos e após grande esforço físico. Há espasmos que são sintomas de algum problema no sistema nervoso e servem de alerta para a busca de um diagnóstico mais preciso para tratamento.

Como surgem os espasmos musculares?

O músculo realiza naturalmente a contração e o relaxamento de acordo com os estímulos recebidos. Dessa forma, ele pode manter os movimentos e proteger ossos e ligamentos, sem causar atritos. Porém, algumas circunstâncias podem fazer com que o músculo não volte ao tamanho normal e se mantenha tenso. Esse estado causa diminuição da elasticidade muscular.

Súbitos e involuntários, os espasmos são mecanismos de segurança para proteger os músculos quando há algum problema. Ele é um sinal de que há uma lesão, um estiramento, uma inflamação ou uma doença que pode ser ampliada caso se mantenha o movimento.

De acordo com a proporção do problema, o espasmo pode durar segundos ou minutos, com possível dor e rigidez. São muitas as situações que podem provocá-lo, porém as mais comuns são o estresse emocional e físico, má qualidade do sono, desidratação, estiramento de músculos e ligamentos, sobrecarga muscular, atividade física além do limite, fratura óssea, torção ou contusão, gravidez, abuso do álcool, excesso de cálcio, magnésio, sódio e potássio, hipoglicemia e uso de alguns medicamentos.

Também pode ser sintoma de doenças que alteraram o metabolismo, como diabetes, problemas de tireoide, varizes, insuficiência venosa, mal de parkinson, doenças musculares e doenças neurais.

Tratamento do espasmo

Quando os espasmos musculares são circunstanciais, eles podem ser tratados com métodos caseiros, mas, se persistirem, é preciso buscar um médico para identificar a causa do problema e tratá-la adequadamente.

Caso esteja no meio de uma atividade física e sentir um espasmo, é preciso interromper a atividade imediatamente. Muitas vezes uma massagem no local pode aliviar a rigidez e a possível dor, relaxando a musculatura e tornando o fluxo sanguíneo normal.

A musculatura precisa de um descanso após apresentar um espasmo. Forçar um movimento pode prejudicar ainda mais o músculo e não só trazer nossos espasmos, como também causar mais danos. A dor é um sintoma de que há um problema, por isso é melhor parar e relaxar.

O alongamento antes e depois de uma atividade física pode ajudar muito a evitar o espasmo. Mas, caso ele tenha acontecido, o alongamento pode aliviar os sintomas, porém deve ser feito com precaução, para não machucar ainda mais a região afetada.

Almofadas térmicas quentes ajudam o músculo a se relaxar e a acabar com o espasmo. Já a compressa fria pode ser ministrada em outro momento, caso haja inchaço e dor no local.

Para evitar erros, é só lembrar que o calor deve ser usado caso ainda precise se movimentar, e o frio é para quem pode parar e relaxar.

Em geral, não são indicados medicamentos para espasmos musculares, já que é uma situação que não persiste por muito tempo. Mas é possível prevenir que isso aconteça por meio de uma alimentação equilibrada, boas noites de sono, mais qualidade de vida e atividades físicas com acompanhamento de um especialista.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como médico e chiropata em Guarapuava!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp